Reconquista




A LENDA DOS MARINHOS
Nos tempos da reconquista da península Ibérica, existiu um cavaleiro, grande amante da caça, que vivia no Minho, num belo castelo à beira-mar. Chamava-se D. Froião ou D. Froiaz.
Um dia, quando andava à caça, chegou a uma garganta entre dois montes, onde uma ribeira se juntava com o mar, e aí encontrou uma formosa mulher marinha, adormecida na margem. D. Froiaz aproximou-se com toda a cautela e conseguiu agarrá-la e capturá-la.
O fidalgo mandou baptizá-la com o nome de Dona Marinha, casaram-se e viveram muito felizes com os seus filhos, os Marinhos.
Esta lenda, muito conhecida na península Ibérica e reivindicada por portugueses e galegos (D. Froião para alguns viveria na Galiza), aparece referida como um facto no "Nobiliário do Conde de Barcelos Dom Pedro", onde pode ler-se: « Dom Frojão, foi um bom cavaleiro; era caçador e monteiro; casou com Dona Marinha na Galiza, e teve vários filhos.»
Também um precioso manuscrito de Diego de Mendoza, existente na Biblioteca Nacional de Madrid refere a mesma lenda citada pelo Conde Dom Pedro sobre a origem dos Marinhos.
Teófilo Braga, nos "Livros de Linhagens" transcreve a mesma história mas com mais pormenores: como D. Marinha foi encontrada e capturada por Dom Froião e o seu baptismo.

in:
http://members.fortunecity.com/rui_nuno_carvalho/marinhos.html