importante.jpg
atenção.JPG




FUNCIONAMENTODALÍNGUA
FUNCIONAMENTODALÍNGUA
key_rotating_md_wht.gif
Antigo Programa

Frase simples e frase complexa


A frase pode ser constituída por uma ou mais orações.
Uma oração é a unidade gramatical organizada à volta de um verbo.

Frase simples é aquela que é constituída por uma única oração, contendo, portanto, um só verbo conjugado (apresenta, assim, apenas um sujeito e um predicado).

Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros.
Frase simples ou oração (um só verbo conjugado)

Frase complexaé aquela que é constituída por duas ou mais orações. Apresenta, portanto, mais do que um predicado e muitas vezes mais do que um sujeito.

Ex.: Os meus pais oferecem-me muitos livros porque eu gosto muito de ler.
Frase complexa ( dois verbos conjugados)

Há duas maneiras de organizar as orações na frase complexa: a coordenação e a subordinação.

Coordenação/Orações coordenadas


Os meus pais saíram. Eu fiquei em casa a ler.
Frase simples (oração independente) Frase simples (oração independente)

Estas duas frases simples e independentes podem ser transformadas numa frase complexa, estabelecendo-se entre elas uma relação de coordenação através de uma conjunção coordenativa.

Ex.: Os meus pais foram ao cinema, mas eu fiquei em casa a ler.
Oração coordenada oração coordenada
Conjunção coordenativa

Como verificas, as orações coordenadas não dependem umas das outras; podem, por isso, separar-se e constituir orações independentes.
As orações coordenadas podem ser copulativas, adversativas, disjuntivas e conclusivas conforme a conjunção coordenativa que as liga.


Subordinação / Orações subordinadas


Ex.: Os meus pais foram ao cinema quando acabaram de jantar.
Oração subordinante oração subordinada temporal

Os meus pais foram ao cinema porque queriam distrair-se
Oração subordinante oração subordinada causal


Como verificas, as orações quando acabaram de jantar e porque queriam distrair-se apenas podem ocorrer em articulação com a oração principal ou subordinante.

As orações subordinadas podem ser temporais, causais, finais, etc., conforme a conjunção subordinativa que as introduz.




As conjunções são palavras invariáveis que servem para articular/ligar frases ou elementos semelhantes da mesma frase.
Há dois tipos de conjunções: coordenativas e subordinativas.
Conjunções coordenativas – ligam dois elementos semelhantes da mesma frase ou duas frases da mesma natureza, independentes gramaticalmente mas entre as quais existe uma relação.
Ex. :
Alguns rapazes e algumas raparigas foram ao cinema.
Hoje foram ao cinema, mas amanhã vão ao teatro.

Conjunções subordinativas – ligam duas frases, uma das quais está subordinada, ou seja, depende de outra. As conjunções subordinativas introduzem as frases subordinadas.
Ex. :
Quando saíram, foram ao cinema.



SUBORDINATIVAS
CONJUNÇÕES
LOCUÇÕES
Causais
porque, pois, porquanto, como (= porque),
que ( = porque)
visto que, pois que, já que, por isso que , por isso mesmo que
Temporais
quando, enquanto, mal, apenas, que
antes que, depois que, logo que, assim que, desde que, até que, primeiro que, sempre que, todas as vezes que, tanto que, à medida que, ao passo que
Finais
que ( = para que)
para que, a fim de que



Para além destas conjunções subordinativas, há ainda as subordinativas concessivas, consecutivas, comparativas e integrantes que serão estudadas mais tarde.
Conjunções e advérbios


ADVÉRBIOS
Os Advérbios são palavras que servem para determinar ou intensificar o sentido do verbo, do adjectivo ou de outro advérbio.

CONJUNÇÕES

As conjunções são palavras invariáveis que servem para articular/ligar frases ou elementos semelhantes da mesma frase.
Existem palavras que podem ser advérbios ou conjunções, tudo depende da sua função dentro da frase.
Logo:
- conjunção coordenativa conclusiva;
- advérbio circunstancial de tempo

Também :
- conjunção coordenativa copulativa;
- advérbio de inclusão;

Apenas:
- conjunção subordinativa temporal;
- advérbio de exclusão;

Quando:
- conjunção subordinativa temporal;
- advérbio interrogativo de tempo;

Como :
- conjunção subordinativa causal;
- advérbio interrogativo de modo;

Entretanto:
- conjunção coordenativa adversativa;
- advérbio circunstancial de tempo;

Porque:
- conjunção subordinativa causal;
- advérbio interrogativo de causa;

Mal:
- conjunção subordinativa temporal;
- advérbio circunstancial de modo;

http://www.prof2000.pt/users/lurdes_soa/conjun%C3%A7%C3%B5es-info.htm

OS SINAIS DE PONTUAÇÃO:


Permitem reproduzir, no texto escrito, as pausas e a entoação da fala;* São indispensáveis à clareza do texto;
  • A ausência de pontuação ou a simples diferença ou deslocação dos sinais de pontuação podem pois, alterar totalmente o sentido das frases.
Ex. O João dizia: - O Bernardo é um preguiçoso, vai reprovar. E agora: - O Bernardo, dizia o Manel, é um preguiçoso, vai reprovar. ¤ No fim de cada frase: * O ponto final:.marca o fim de uma frase declarativa.
  • O ponto de interrogação:? indica a entoação e fazem-se com ele perguntas.
  • O ponto de exclamação: !reproduz o espanto, a admiração…
  • As reticências: …indicam uma frase incompleta ou que ainda há uma ideia em suspenso.
¤ No interior duma frase: A vírgula: ,transcreve uma pausa ligeira, separa elementos dentro da frase.* O ponto e vírgula:; pausa maior, mas não finaliza a ideia.
  • Os dois pontos::precedem uma citação, explicação… indicam a fala de alguém, formando parágrafo.
  • O travessão:-marca o início da fala das personagens. Entre dois travessões, surgem esclarecimentos, informações sobre o que acontece.
  • Os parênteses: ( ) também contêm esclarecimentos, precisões…
  • As aspas: « »indicam uma citação extraída de um livro, dum autor e, também o título duma obra.

http://www.prof2000.pt/users/lurdes_soa/menu.htm
















versificação.png



Adjetivo

  • Adjetivos são palavras que caracterizam ou qualificam o nome (as pessoas ou os objetos a que se referem.
    • A menina tem cabelo longo, esverdeado; olhos roxos , grandes e redondos ; os seus pés são minúsculos .

  • Os adjetivos variam em género , número e grau e concordam sempre com o nome a que se referem.


FLEXÃO EM GÉNERO (masculino e feminino):
  • A maior parte dos adjetivos apresenta uma forma para o masculino e outra para o feminino e, por isso, são denominados de adjetivos biformes quanto ao género .
Exemplo:

>
  • A menina é bonita.
  • O menino é bonito.
Há, no entanto, adjetivos que apresentam apenas uma forma para o masculino e feminino, e, por isso, são denominados adjetivos uniformes quanto ao género .


Exemplo:
  • A menina está triste.
  • O menino está triste.

FLEXÃO EM NÚMERO (singular e plural):
  • Quanto ao número, os adjetivos também podem ser:

Biformes, quando têm uma forma para o singular e outra para o plural, e Uniformes, quando têm uma só forma para o singular e para o plural. Exemplos:


Biformes:


  • A menina é bonita.
  • As meninas são bonitas.
Uniformes:

É uma menina simples.
  • São meninas simples.

O GRAU mostra a intensidade da qualidade ou do estado que é dada pelo adjetivo.

Dá uma espreitadela no quadro que se segue:
Normal

(caracteriza ou qualifica simplesmente o nome)

Os professores são simpáticos.

Comparativo

(compara a mesma característica ou qualidade em seres diferentes)

Superioridade


(mais…do que)

A Ana é mais simpática do que a Vanda.

Igualdade


(tão… como)

A Ana é tão simpática como a Raquel.

Inferioridade


(menos…do que)

A Vanda é menos simpática do que a Ana.

Superlativo

(exprime um grau elevado de determinada característica ou qualidade)

Relativo

Superioridade


(o mais…)

A Ana é a mais simpática da turma.

Inferioridade


(o menos…)

O Pedro é o menos simpático da turma.

Absoluto

Analítico


(muito…)

A Raquel é muito simpática.

Sintético


(…-íssimo ou …-érrimo)

A Inês é simpatiquíssima.

Advérbios e locuções adverbiais: subclasses e flexão em grau



1. Os advérbios são palavras invariáveis em género e em número que modificam verbos, adjetivos, outros advérbios ou frases. Podem ser organizados em várias subclasses e são, normalmente, classificados de acordo com a circunstância que exprimem.

1.1 Subclasse dos advérbios

  • Advérbios de tempo - hoje, ontem, anteontem, amanhã, antes, depois, agora, ainda, cedo, tarde, já, depois, logo, antigamente, outrora, sempre, nunca*, jamais*, etc.
  • Advérbios de lugar - abaixo, acima, acolá, adiante, ali, aí, além, aqui, cá, dentro, atrás, debaixo, perto, longe, junto, algures, defronte, etc.
  • Advérbios de modo - bem, mal, assim, depressa, devagar, debalde, sobretudo, muitos advérbios terminados em –mente, como felizmente, tranquilamente, etc.
  • Advérbios de afirmação - sim, certamente, efetivamente, decerto, etc.
  • Advérbios de negação - não *
  • Advérbios de quantidade/intensidade - bastante, assaz, muito, pouco, bem, tanto, tão, quanto, demais,
  • Advérbios de dúvida - mais, menos, quase, etc. talvez, acaso, porventura, possivelmente, provavelmente, etc.
  • Advérbios de inclusão - até, inclusivamente, mesmo, também, etc.
  • Advérbios de exclusão - apenas, só, somente, senão, unicamente, exclusivamente, etc.
  • Advérbios interrogativos:
    • de lugar - onde?
    • de tempo - quando?
    • de modo - como?
    • de causa - porque?


* Há autores que consideram os advérbios jamais e nunca, como advérbios de negação; há outros que consideram que o não é o único advérbio de negação, incluindo jamais e nunca na subclasse dos advérbios de tempo.

2. Locuções adverbiais
external image placeholder?w=600&h=79
Uma locução adverbial é um conjunto de duas ou mais palavras que tem uma função semelhante à de um advérbio. Normalmente, é formada por uma preposição e um nome, ou adjetivo ou advérbio.
Tal como acontece com os advérbios, as locuções adverbiais também se inserem em diferentes subclasses.

2. 1 Subclasses das locuções adverbiais
  • Locuções adverbiais de tempo - à noite, de manhã, à tarde, de dia, de noite, em breve, pela manhã, de vez em quando, etc.
  • Locuções adverbiais de lugar - ao lado, de longe, de perto, por ali, por aqui, por perto, à direita, à esquerda, de cima, etc.
  • Locuções adverbiais de modo - à pressa, à vontade, em silêncio, de cor, em vão, ao acaso, a custo, etc.
  • Locuções adverbiais de afirmação - com certeza, sem dúvida, etc.
  • Locuções adverbiais de negação - de modo nenhum, de forma alguma, etc.
  • Locuções adverbiais de quantidade/intensidade - de pouco, de todo, etc.

3. Variação em grau

Os advérbios são invariáveis em género e número, mas muitos advérbios variam em grau:

  • Comparativo de inferioridade - menos perto
  • Comparativo de igualdade - tão perto
  • Comparativo de superioridade - mais perto
  • Superlativo analítico - muito perto
  • Superlativo absoluto sintético - pertíssimo
  • Superlativo relativo de inferioridade - o menos perto
  • Superlativo relativo de de superioridade - o mais perto




regras_conjpronominal.png

conjugpronominal.png